quinta-feira, 17 de abril de 2014

drops literário #25

Como eu enxergo a presença de um filho em minha vida? Pergunta fina. Vamos ver. Acho que eu gostaria de ter um filho para poder contar como são as coisas, que o mundo, no fundo, é melancólico pra caralho, não importa as companhias, mas que é dessa descoberta que. Eu acho que gostaria de ter um filho para compreender o significado de solidão pela sua oposição, não sei se dá pra entender. Como um modo de acreditar que estar só pode ser bom também. Filho, no fundo, é uma bengala que você mesmo confecciona, não é verdade? É uma espécie de previdência privada, é investir em alguém que, se tudo caminhar bem, vai limpar sua bunda no final.

(VIANA, André. O doente. São Paulo: Cosac Naify, 2014.)

_______

porque vai ecoar

Nenhum comentário: